6 de abr de 2012

Gráfico pt cruz - Jesus at Getsêmane



Umas poucas palavras para refletirmos



Evangelho segundo São Mateus (26, 17-56) 
 
O NOVO CORDEIRO PASCAL
 
17. No primeiro dia dos ázimos, os discípulos se aproximaram de Jesus, e perguntaram: "Onde queres que façamos os preparativos para comermos a Páscoa?"
18. Jesus respondeu: "Vão à cidade, procurem certo homem, e lhe digam: 'O Mestre manda dizer: O meu tempo está próximo, eu vou celebrar a Páscoa em sua casa, junto com os meus discípulos.' "
19. Os discípulos fizeram como Jesus mandou, e prepararam a Páscoa.
20. Ao cair da tarde, Jesus se pôs à mesa, com os doze discípulos.
21. Enquanto comiam, Jesus disse: "Eu lhes garanto: um de vocês vai me trair."
22. Eles ficaram muito tristes e, um por um, começaram a lhe perguntar: "Senhor, será que sou eu?"
23. Jesus respondeu: "Quem vai me trair, é aquele que comigo põe a mão no prato.
24. O Filho do Homem vai morrer, conforme a Escritura fala a respeito dele. Porém, ai daquele que trair o Filho do Homem. Seria melhor que nunca tivesse nascido!"
25. Então Judas, o traidor, perguntou: "Mestre, será que sou eu?" Jesus lhe respondeu: "É como você acaba de dizer."
26. Enquanto comiam, Jesus tomou um pão e, tendo pronunciado a bênção, o partiu, distribuiu aos discípulos, e disse: "Tomem e comam, isto é o meu corpo."
27. Em seguida, tomou um cálice, agradeceu, e deu a eles dizendo: "Bebam dele todos, 
28. pois isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos, para remissão dos pecados.
29. Eu lhes digo: de hoje em diante não beberei desse fruto da videira, até o dia em que, com vocês, beberei o vinho novo no reino do meu Pai."
30. Depois de terem cantado salmos, foram para o monte das Oliveiras.
31. Então Jesus disse aos discípulos: "Esta noite vocês todos vão ficar desorientados por minha causa, porque a Escritura diz: 'Ferirei o pastor, e as ovelhas do rebanho se dispersarão'.
32. Mas depois de ressuscitar, eu irei à frente de vocês para a Galiléia."
33. Pedro disse a Jesus: "Ainda que todos fiquem desorientados por tua causa, eu jamais ficarei."
34. Jesus declarou: "Eu garanto a você: esta noite, antes que o galo cante, você me negará três vezes."
35. Pedro respondeu: "Ainda que eu tenha de morrer contigo, mesmo assim não te negarei." E todos os discípulos disseram a mesma coisa.
36. Então Jesus foi com eles a um lugar chamado Getsêmani. E disse aos discípulos: "Sentem-se aqui, enquanto eu vou até ali para rezar."
37. Jesus levou consigo Pedro e os dois filhos de Zebedeu, e começou a ficar triste e angustiado.
38. Então disse a eles: "Minha alma está numa tristeza de morte. Fiquem aqui e vigiem comigo."
39. Jesus foi um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto por terra, e rezou: "Meu Pai, se é possível, afaste-se de mim este cálice. Contudo, não seja feito como eu quero, e sim como tu queres."
40. Voltando para junto dos discípulos, Jesus encontrou-os dormindo. Disse a Pedro: "Como assim? Vocês não puderam vigiar nem sequer uma hora comigo?
41. Vigiem e rezem, para não caírem na tentação, porque o espírito está pronto, mas a carne é fraca."
42. Jesus afastou-se pela segunda vez, e rezou: "Meu Pai, se este cálice não pode passar sem que eu o beba, seja feita a tua vontade!"
43. Ele voltou de novo, e encontrou os discípulos dormindo, porque seus olhos estavam pesados de sono.
44. Deixando-os, Jesus afastou-se, e rezou pela terceira vez, repetindo as mesmas palavras.
45. Então voltou para junto dos discípulos, e disse: "Agora vocês podem dormir e descansar. Olhem, a hora está chegando. Vejam: o Filho do Homem vai ser entregue ao poder dos pecadores.
46. Levantem-se! Vamos! Aquele que vai me trair já está chegando."
47. Jesus ainda falava, quando chegou Judas, um dos Doze, com uma grande multidão armada de espadas e paus. Iam da parte dos chefes dos sacerdotes e dos anciãos do povo.
48. O traidor tinha combinado com eles um sinal, dizendo: "Jesus é aquele que eu beijar; prendam."
49. Judas logo se aproximou de Jesus, e disse: "Salve, Mestre." E o beijou.
50. Jesus lhe disse: "Amigo, faça logo o que tem a fazer." Então os outros avançaram, lançaram as mãos sobre Jesus, e o prenderam.
51. Nesse momento, um dos que estavam com Jesus estendeu a mão, puxou da espada, e feriu o empregado do sumo sacerdote, cortando-lhe a orelha.
52. Jesus, porém, lhe disse: "Guarde a espada na bainha. Pois todos os que usam a espada, pela espada morrerão.
53. Ou você pensa que eu não poderia pedir socorro ao meu Pai? Ele me mandaria logo mais de doze legiões de anjos.
54. E, então, como se cumpririam as Escrituras, que dizem que isso deve acontecer?"
55. E nessa hora, Jesus disse às multidões: "Vocês saíram com espadas e paus para me prender, como se eu fosse um bandido. Todos os dias, no Templo, eu me sentava para ensinar, e vocês não me prenderam."
56. Porém, tudo isso aconteceu para se cumprir o que os profetas escreveram. Então todos os discípulos, abandonando a Jesus, fugiram.






Gráfico Ponto Cruz - Pegadas na areia





     Uma noite eu tive um sonho...
    Sonhei que estava andando na praia com o Senhor e através  do céu, passavam cenas da minha vida.
     Para cada cena que passava, percebi que eram deixados dois pares de pegadas na areia: um era meu e o outro era do Senhor.
     Quando a última cena passou diante de nós, olhei para trás, para as pegadas na areia e notei que muitas vezes, no caminho da minha vida, havia apenas um par de pegadas na areia.
    Notei também que isso aconteceu nos momentos mais difíceis e angustiosos do meu viver. Isso me aborreceu deveras  e perguntei então ao Senhor:
    - Senhor, Tu me disseste que, uma vez que resolvi te seguir, Tu andarias sempre comigo, em todo o caminho. Contudo, notei que durante as maiores atribulações do meu viver, havia apenas um par de pegadas na areia. Não compreendo porque nas horas em que eu mais necessitava de Ti, Tu me deixaste sozinho.
     O Senhor me respondeu:
     - Meu querido filho. Jamais eu te deixaria nas horas de provas e de sofrimento. Quando viste, na areia, apenas um par de pegadas, eram as minhas.  Foi exatamente aí que eu te carreguei nos braços.

 Do livro "Pegadas na areia" - Margareth Fishback Powers - Ed.Fundamento
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...